Dia da Sobrecarga da Terra: uma “Pegada” cada vez mais visível



Por
12 de novembro de 2019 - 20:00


Com o decorrer dos anos, notadamente nas últimas décadas, a humanidade passou a consumir bens e serviços além da sua capacidade de reposição, chegando ao “limite disponível” neste ano. Desse modo, tudo o que foi e está sendo consumido desde o dia 29 de julho de 2019 até a presente data ficará como dívida do ser humano para com a natureza. Esta data foi tristemente marcada como o dia em que o planeta atingiu o esgotamento de recursos naturais que podem ser renovados sem custos para o meio ambiente.

A organização internacional Global Footprint Network é a responsável por contabilizar o quanto de recursos um indivíduo ou uma população usa em as suas necessidades. Tal organização calcula a chamada “Pegada Ecológica”, que analisa e define uma estimativa para uma área, terrestre e marinha, necessária para a produção de todos os recursos consumidos ao ponto de que o planeta ainda consiga se regenerar, ou seja, mede a quantidade de recursos naturais renováveis necessários para manter nosso estilo de vida.

Os cálculos acontecem desde 1970, sendo 2019 o primeiro ano marcado pelo déficit de recursos naturais. Como o planeta luta constantemente para se regenerar de forma independente ou com amparo de organizações sustentáveis, o nosso crédito é renovado anualmente, onde é estipulada uma quantia que cada pessoa podemos usar sem causar danos irreversíveis a natureza, e todo ano a humanidade atinge essa meta em algum momento e passa a “dever” à natureza. Porém, em 2019, essa data chegou muito antes que em qualquer outro ano desde que se começou a medir essa estimativa. Nosso crédito de recursos acaba mais cedo a cada ano e segundo a Global Footprint, seria necessário 1,75 planeta Terra para sustentar o nosso consumo no ritmo atual e, até 2030, de 2 planetas Terra para suprir nossa demanda por recursos.

Os dados são extremamente preocupantes por que nós não podemos usar 1,75 Terras quando só temos uma para nos sustentar e a cada dia nosso planeta morre um pouco mais. “Os custos desse excesso estão se tornando cada vez mais evidentes em todo o mundo, sob a forma de deflorestação, erosões, perda da biodiversidade e acumulação de dióxido de carbono na atmosfera, levando à alterações climáticas e à secas, incêndios e furacões cada vez mais graves”, diz a organização.

Nesse contexto, Terry Swearingen, organizadora de protestos contra as emissões de metais pesados e dioxinas de incineradores de resíduos tóxicos, nos traz a seguinte frase para refletir sobre essa problemática: “Nós vivemos na terra como se tivéssemos outra para ir”. A conscientização é uma das formas mais básicas de amenizar o consumo em excesso dos recursos naturais, pensando nisso a própria Global Footprint criou um site (www.footprintcalculator.org) onde você pode verificar sua Pegada Ecológica inserindo alguns dados e informações sobre a sua cultura de consumo. Além disso, é possível ficar sabendo quantos planetas Terras seriam necessários caso todos consumissem igual a você.