A importância da proteção às florestas



Por
13 de agosto de 2019 - 20:00


No último mês Julho, dia 17, foi comemorado o Dia de proteção às florestas, data que anualmente nos lembra da importância da preservação das florestas ao redor do mundo e sua importância para o bem estar da nossa sociedade e do planeta em geral.

Cerca de 30% de toda a área terrestre do planeta é formada por florestas dos mais variados tipos, por exemplo, a Floresta Amazônica abriga cerca de 20% de toda fauna do nosso planeta. Garantir a preservação é imprescindível para a nossa qualidade de vida, pois as florestas são os componentes principais para manutenção do equilíbrio do nosso ecossistema.

No Brasil está localizada uma das maiores e mais importantes florestas do mundo, a Floresta Amazônica, conhecida por sua vasta extensão de rios e árvores que contribuem significativamente para a qualidade de vida do nosso planeta. Além disso, as florestas apresentam um papel crucial no fornecimento de matéria prima seja para a construção civil ou produção de objetos, móveis, produtos de higiene e beleza, dentre muitas outras áreas. São as principais protetoras do solo, principalmente em áreas próximas a rios e lagos, evitando a ocorrência de erosões e contribuindo para o ciclo e a qualidade da água.

Infelizmente o ser humano tem se importado pouco com essa parte da natureza. Com o aumento de áreas destinadas à criação de animais, queimadas ilegais ou acidentais, retirada ilegal de madeira as áreas florestais diminuem cada vez mais. Segundo a Global Forest Watch, uma rede independente de monitoramento de florestas, em 2017 o desmatamento alcançou uma área equivalente à Itália, totalizando 294.000 quilômetros quadrados, um pouco abaixo do recorde registrado no ano anterior de 297.000 quilômetros quadrados. Só no Brasil foram desmatados 45 mil quilômetros quadrados no ano de 2017.

É extremamente preocupante pensar que mais de 200 mil quilômetros quadrados de áreas florestais são desmatados anualmente, uma taxa que equivale a 30-40 campos de futebol por minuto. Embora esta seja uma situação alarmante, o governo atual concentra seus esforços contra os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Especiais, INPE, que tem sido usado nos últimos 30 anos por todos os governos, alegando que estes dados são “mentirosos”. Além disso, como os principais responsáveis por esse desmatamento são os produtores de agronegócios, grandes empresas madeireiras, fazendeiros e exportadores de produtos alimentícios, é possível presumir que há um jogo de interesse entre esses agentes em encobrir dados acerca do crescente desmatamento no Brasil.

Cada pessoa pode contribuir para a diminuição das áreas desmatadas através de algumas ações bem simples, como não jogar lixo no meio ambiente, cobrar atitudes do governo para coibir o desmatamento, sempre procurar meios para reciclar as embalagens usadas, dar preferência para madeiras regulamentadas que são identificadas com um selo ou certificado, evitar jogar na natureza objetos que possam vir a causar combustão, como cigarros acesos ou latas de alumínio. Essas ações, apesar de pequenas, contribuem significativamente para preservação e proteção às florestas, e consequentemente, à manutenção de um ecossistema mais saudável.